Mutya Keisha Siobhan retornaram aos trabalhos e lançarão novo CD em 2017



Há três anos, as integrantes originais do Sugababes resolveram voltar sob o título Mutya Keisha Siobhan (o primeiro nome de cada uma delas), e lançaram o single "Flatline". Desde então, tudo ficou meio estacionado e uma das raras novidades foi "Back In the Day", faixa inédita que começou a circular na web no ano passado.

Mas parece que agora vai (sim, somos muito "Alice" mesmo). Segundo a NME, Siobhan Donaghy, disse à Rádio Wandsworth durante o festival London Pride que elas finalmente lançarão um novo disco no ano que vem. Embora não saibamos se pode ser por mera força do hábito, a cantora também deu a entender que será o com título original - o qual estavam impedidas de usar devido as diversas formações que o grupo já teve.

"O Sugababes estava gravando um álbum que sairá no ano que vem. Voltamos e tivemos uma pequena pausa, mas já estamos trabalhando nele novamente, o que é bem excitante. Não posso te contar a data de lançamento exata. Eu sei a data mas não posso dizer. Será no ano que vem.", revelou.

Enquanto esperamos para ver se é verdade, a gente relembra do hino:


quedelicianegente.com

Rihanna lança a inédita “Sledgehammer” para trilha de “Star Trek: Sem Fronteiras”!



Faltando pouco menos de um mês para a estreia, que acontece no dia 21 de julho, Star Trek: Sem Fronteiras ganhou mais uma novidade, além dos dois trailers já revelados (veja aqui e aqui).

Conforme prometeu ontem nas redes sociais, Rihanna acaba de revelar a faixa inédita "Sledgehammer" para a trilha sonora do filme!

Co-escrita por Sia (o que aumenta as chances de que tenha sido originalmente escrita para o ANTi, assim como a recente "Nothing is Promissed" que a diva barbadiana cedeu como single para o produtor Mike Will Made-It), a música é uma poderosíssima balada de refrões ascendentes, como a maioria das composições da australiana, com alguns toques eletrônicos. Tem cara de que, no mínimo, deve concorrer à "Melhor Canção Original" no próximo Oscar. Ouça:



Junto à música, a Paramount Pictures revelou o terceiro trailer do longa, que é a terceira parte do reboot da saga de ficção científica, iniciada com Star Trek em 2009 e tendo Além da Escuridão - Star Trek (2013) como antecessor direto.



Nele, acompanharemos Kirk (Chris Pine) e sua tripulação - Spock (Zachary Quinto), Uhura (Zoe Saldana), Scotty (Simon Pegg), Bones (Karl Urban), Chekov (Anton Yelchin, que faleceu num acidente no último dia 19), Keenser (Deep Roy) e Sulu (John Cho) - indo parar num planeta distante, após um ataque destruir a nave Enterprise. No local, encontram o vilanesco Krall (Idris Elba) e a inicialmente relutante em lutar entre os mocinhos Jaylah (Sofia Boutella).

Justin Lin (da franquia Velozes e Furiosos) será o diretor, entrando no lugar de J.J. Abrams, atualmente ocupado com Star Wars, que atuará apenas como produtor.
quedelicianegente.com

BET Awards 2016: Beyoncé e Kendrick Lamar fazem performance incrível de “Freedom”



Está rolando neste domingo (26), no Microsoft Theater, em Los Angeles, no momento em que esta postagem é escrita, a edição 2016 do BET Awards, premiação da comunidade negra estadunidense na área do entretenimento, contemplando os melhores artistas do gêneros r&b e hip-hop.

A premiação foi aberta por ninguém menos que Beyoncé, que fez uma grandiosa performance de "Freedom", faixa presente no seu mais recente álbum, o aclamado Lemonade.

A apresentação contou com coreografias feitas num espelho d'água, o que, somado às luzes e pirotecnia, fizeram um efeito visual incrível. Além disso, Kendrick Lamar se juntou à cantora, fazendo versos e deixando tudo ainda mais grandioso. A expressão de "passado!" que o Samuel L. Jackson faz no começo resume bem o nosso sentimento.



Amanhã incluímos no post outra performances e os ganhadores. Mas não poderíamos deixar de falar dessa maravilha agorinha!

O mundo monocromático do The Veronicas no videoclipe de “In My Blood”



Conforme falamos aqui no começo do mês, o duo The Veronicas deu o primeiro gostinho do sucessor do álbum autointitulado lançado no final de 2014, que rendeu materiais como "You Ruin Me", "If You Love Someone" e "Cruel".

As irmãs Jessica e Lisa Origliasso lançaram o delicioso single "In My Blood", que ganhou neste domingo (26) o seu clipe. O vídeo traz uma delas (ou as duas se intercalando para viver uma única personagem) quebrando tudo numa sala inteiramente vermelha, para remeter à temática "sangue" da canção. Confira no player abaixo:



Além disso, a dupla fez uma performance da música no The Voice australiano. Veja nesse link.
quedelicianegente.com

Crítica: em “Conscious”, BROODS conta de forma invertida mais uma história de amor



Após dois anos do lançamento de seu debut, o BROODS, formado pelos irmãos Georgia e Caleb marido compartilhado da equipe do blog Nott, nos entrega Conscious, seu segundo registro. Como o nome sugere, parece que os artistas sabiam exatamente o que queriam atingir com o trabalho.

Desde o primeiro single, "Free", que também abre o álbum, o duo trabalhou com os sintetizadores de uma forma mais pop e radiofônica. Esse movimento aparece em outras faixas, mas o que mais chama atenção nesse long play - depois de ouvirmos algumas boas vezes - é como a narrativa parece ser construída do final para o início. Uma óptica inversa que ganha corpo na capa do material.

Para abrir Conscious, os irmãos apresentam uma letra que deixa bem claro que um relacionamento acabou e agora uma das partes se sente livre. Logo após, em "We Had Everything", somos recebidos com uma versão indie-pop dos sintetizadores do final dos anos 80, algo já explorado abertamente no mainstream. Aqui Georgia lembra por que o relacionamento não vingou. Então no breguinha e gostoso som sintetizado de "Are You Home" entendemos que tudo pode ter acabado por causa de uma traição. Tecnicamente a música poderia ter uma sonoridade mais ascendente, mas de qualquer modo entrega muito bem a próxima canção.

"Heartlines", co-composta pela Lorde, tem uma atmosfera espacial tão sutil ao fundo que apenas ambienta nossos ouvidos. Enquanto os sintetizadores deixam de ser protagonistas para virarem coadjuvantes, Georgia passa por aquele momento em que sabemos que as coisas com a pessoa que você ama parecem estar estranhas, mas mesmo assim ainda a queremos por perto. É em "Hold The Line", um dos destaques do álbum, que somos levados um pouco mais pro início dessa relação. As notas esticadas e costuradas com distorções vocais reinauguram a força dos anos 80 no registro.